O que é canabidiol ou CBD?

CBD é a abreviatura para canabidiol. O canabidiol é um dos mais de 100 compostos canabinóides encontrados na planta cannabis. O CBD é estudado há muitos anos e os investigadores têm descoberto enorme potencial terapêutico neste canabinóide. Hoje, sabe-se que o canabidiol:

  • não tem efeitos psicoativos
  • não causa dependência
  • não tem contra-indicações formais por parte da comunidade científica
  • é recomendado em diversas patologias graves, inclusive em crianças

 

 

onde comprar cbd_oleo canhamo cbd_oleo cbd_cbd celeiro_canabdiol_cbd legal portugal_qual o melhor cbd_cbd canabigold_sistema endocanabinoide
Efeitos psicoativos

O CBD não está associado a psicoatividade. A substância com efeitos psicoativos é um outro canabinóide: THC.

Dependência

A Ciência já mostrou que o CBD não causa dependência. A OMS declarou o CBD como substância segura.

Crianças e CBD

O canabidiol é uma substância segura e pode ser tomado por crianças. Consulte-nos para mais informações.

Apoio Técnico

Disponibilizamos um Departamento Técnico com experiência na Saúde, em âmbitos farmacêutico e produtos naturais.

CBD e o sistema endocanabinóide

A planta cannabis divide-se em cannabis sativa, cannabis ruderalis e cannabis indica. Estas variantes da planta contêm vários tipos de compostos químicos, os canabinóides, que interagem com o organismo dos mamíferos através do sistema endocanabinóide. comprar cbd_cbd e thc_beneficios do cbd_oleo canhamo com cbd_canabidiol

É através do nosso sistema endocanabinóide que recebemos os efeitos dos canabinóides, tanto os terapêuticos como os psicoativos. O sistema endocanabinóide é um sistema neuromodulatório lipídico, com vários recetores um pouco por todo o organismo e que está envolvido em processos fisiológicos como o controlo do apetite, controlo da dor, humor e memória.

O sistema endocanabinóide é constituído por:

  • dois recetores canabinóides: tipo 1 (CB1) e tipo 2 (CB2)
  • ligandos endógenos (endocanabinóides)
  • um sistema enzimático que sintetiza e degrada os endocanabinóides (1)

Recetores Canabinóides

Os recetores canabinóides CB1 são recetores acoplados à proteína G, uma das mais abundantes no cérebro. Estes recetores estão expressos nas pré-sinapses do sistema nervoso central e periférico. São responsáveis por sensações de bem-estar, pela memória, concentração, percepção sensorial e temporal e coordenação de movimentos.

Os recetores canabinóides CB2 existem, sobretudo, nas células imunitárias e nos tecidos periféricos. Os CB2 estão relacionados com ações anti-inflamatória e imunossupressora e são responsáveis por direcionar a libertação de vários neurotransmissores e citoquinas. (2)

Endocanabinóides

No sistema imunológico e nervoso dos seres vivos, identificaram-se endocanabinóides, ou seja, canabinóides endógenos:

  • anandamida (N-araquidonoitenolamina)
  • 2-araquidonoiglicerol.

São ambos derivados do ácido araquidónico e estão relacionados com ações anti-inflamatória e inibitória nas convulsões epiléticas.

Estes endocanabinóides ligam-se e ativam os recetores CB1 e CB2 e são considerados uma mecânica de defesa natural do organismo, com ação moduladora e produzidos “on demand” pelo próprio organismo. (2) Ou seja, o nosso organismo produz endocanabinóides de forma natural.

Loja online

Consulte a loja online e a melhor opção para si. Se tiver dúvidas, contacte-nos!

Ver loja

CBD: como tomar

Saiba o que diz a investigação sobre a melhor forma de tomar CBD

Ver Como tomar CBD

Notícias

Saiba mais acerca de CBD, estudos científicos e atualidade

Ver notícias

CBD e THC

O CBD e o THC são considerados canabinóides exógenos e atuam, tal como os endógenos (endocanabinóides que são produzidos pelo nosso organismo), sobre o sistema endocanabinóide. No entanto, esta ação é distinta da dos endocanabinóides.

Segundo a investigação, o THC, ao ser agonista dos receptores CB1 e CB2, tem efeito psicoativo através da modulação do ácido gama-amino butírico (GABA) e da glutamina. Por seu lado, o CBD não parece ligar-se a estes recetores. Várias hipóteses foram já identificadas para explicar a complexa mecânica de atuação do CBD.

Efeitos do canabidiol (CBD)

Segundo alguns estudos*, os efeitos neuroprotetor e anti-inflamatório do CBD estarão relacionados com:

  • Inibição das ciclooxigenases e lipooxigenases (substâncias pró-inflamatórias) e por ser um agonista inverso nos receptores CB1 e CB2.
  • Atuação sobre os endocanabinóides, inibindo a recaptação celular da anandamida. O CBD compete com a anandamida na ligação a proteínas ligadoras de ácidos gordos (FABP), transportadoras da anandamida para a sua metabolização. (3)

As ações anti-inflamatória e imunossupressora do CBD estão relacionadas com a sua intervenção nos recetores da serotonina e adenosina, ou seja, o CBD age como agonista dos receptores 5-HT1A e 5-HT2A e ativador do receptor da Adenosina A1A. (3).

ação antiepilética do CBD está relacionada com a modulação do sistema endocanabinóide, ao suspender a degradação da anandamida. Regula também os canais de cálcio tipo T, o que parece inibir as convulsões.

Os estudos efetuados até agora mostram também que o CBD deverá ter também função reguladora da epigenética, pois foram identificadas ações repressoras da transcrição, que controla a proliferação celular e diferenciação através da Metilação do DNA. (3)

Tanto o CBD como o THC são substâncias altamente lipofílicas, com tempo de semivida longo (o CBD, de nove a 32 horas). O canabidiol liga-se a proteínas e é metabolizado a nível hepático pelo CYP450, ainda que também iniba algumas das suas enzimas. Por esse motivo, é possível interferir ou interagir com alguns fármacos. Saiba mais sobre possíveis interações medicamentosas.

*fontes/estudos
(1) – Rodriguez de Fonseca e cols. (2005) “The endocannabinoid system: physiology and pharmacology” Alcohol Alcohol. ;40(1):2-14
(2) – Pucci et al., Epigenetic control of skin differentiation genes by phytocannabinoids. Br. J. Pharmacol. 170, 581–591.2013
(3) – Pucci et al., Epigenetic control of skin differentiation genes by phytocannabinoids. Br. J. Pharmacol. 170, 581–591.2013