CBD: efeitos adversos ao pormenor

O canabidiol é estudado há muito anos e os resultados têm sido publicados em diversas publicações científicas. O site Pubmed é uma das principais fontes de informação pública acerca do canabidiol, canabinóides e canabis medicinal e, desde há vários anos que os investigadores não apresentavam contra-indicações formais quanto a tomar canabidiol (CBD).

Mais recentemente, um grupo de pesquisadores efectuou uma revisão sistemática e de metanálise de ensaios clínicos randomizados, com a lente científica a procurar resultados quanto a possíveis efeitos adversos do CBD. O trabalho foi realizado por investigadores do King’s College de Londres, Addiction and Mental Health Group (Grupo de Saúde Mental e Dependência, em tradução livre) e pelo Instituto Nacional de Pesquisa e Saúde.

Como esclarece a publicação de Abril de 2020 no site Pubmed, foram incluídos ensaios clínicos randomizados, duplo-cegos, controlados por placebo e com duração igual ou superior a sete dias. Realizaram-se 12 ensaios que reuniram informação e dados de 803 participantes.

CBD é tolerado pela maioria das pessoas

Foram analisadas situações diversas como diminuição de apetite, sonolência ou sedação, problemas relacionados com função hepática, diarreia e pneumonia. Algumas destas condições – pneumonia, sonolência ou sedação ou constrangimento de função hepática – foram associadas a tratamentos na epilepsia infantil, com os investigadores a assumirem que o canabidiol interagiu com a medicação que estava a ser administrada, como Clobazam e/ou Valproato de Sódio.

Excluindo a situação específica de epilepsia infantil, o único resultado co-lateral associado ao CBD foi diarreia, com os pesquisadores a concluírem que o CBD é bem tolerado pela maioria das pessoas, sem efeitos adversos associados. Este resultado vem na linha de outros estudos publicados acerca de CBD e que apontam os distúrbios intestinais como “contra-indicação” do óleo com CBD.

O canabidiol é aconselhado em diversas patologias, como em alguns casos de cancro, por exemplo. Em Portugal, o potencial terapêutico do CBD e outros canabinóides é reconhecido pelo Infarmed, que tem uma lista de aprovações própria.

Tal como noutras situações estudadas e acompanhadas por médicos e investigadores, aconselha-se tomar CBD sob aconselhamento e acompanhamento de um profissional de saúde capacitado.