CBD: o que é canabidiol e quais os benefícios?

Os benefícios do canabidiol (CBD) têm sido demonstrados pelos investigadores, cujos trabalhos confirmam que o potencial do CBD se estende a diversas patologias. Especialistas na área dos canabinóides afirmam que o CBD é uma alternativa importante.

Canábis, Marijuana, Canabinóides… o que são?

O termo cannabis refere-se a três espécies de cânhamo: Cannabis sativa, Cannabis indica e Cannabis ruderalis. A marijuana é um termo que se aplica à secagem das folhas, flores e sementes do cânhamo, posteriormente usados para fumar, com fins recreativos ou terapêuticos. A marijuana contém vários tipos de compostos químicos chamados canabinóides, que interagem através do sistema endocanabinóide. O sistema endocanabinóide é um sistema natural do organismo dos mamíferos e foi descoberto em 1985.

O sistema endocanabinóide é um sistema neuromodulatório lipídico. Está envolvido em processos fisiológicos como controlo do apetite, controlo da dor, humor e memória

Sistema endocanabinóide: tem dois tipos de recetores, através dos quais os canabinóides se ligam. Existem cerca de 100 tipos de canabinóides atualmente identificados e que diferem na ação e tipo de efeito. Enquanto o delta-9-tetrahydrocannabinol (THC) é o canabinóide mais conhecido na marijuana pelo efeito psicoativo, outros canabinóides – como o canabidiol (CBD) – não se incluem neste tipo de ação.

O canabidiol destaca-se pelo efeito terapêutico e ausência de efeitos psicoativos, característica comprovada pelos muitos estudos científicos já realizados com aquela substância. Este aspeto não tóxico do CBD foi realçado pela OMS em 2018, após revisão a estudos científicos sobre canabidiol. A OMS afirmou que “não há registo de problemas de saúde pública relacionadas com o uso de CBD.”

A investigação tem confirmado que o CBD tem resultados muito interessantes e promissores em área como dor, doenças degenerativas como Alzheimer e Parkinson, doenças mentais como Depressão ou na Epilepsia.

Esta é outra condição em que a OMS também referiu a importância do CBD, referindo que o canabidiol já demonstrou “eficácia no tratamento de algumas formas de epilepsia, como síndrome de Lennox-Gastaut e síndrome de Dravet, que são frequentemente resistentes a medicação”.

Farmacologia

O sistema endocanabinóide é o veículo responsável pela transmissão dos efeitos psicoativos e terapêuticos da cannabis e seus compostos. É um sistema neuromodulatório lipídico e, em conjunto com os recetores, está envolvido em processos fisiológicos como, por exemplo, controlo do apetite, controlo da dor, humor e memória.

O sistema endocanabinóide é constituído por dois recetores canabinóides – tipo 1 (CB1) e tipo 2 (CB2) -, ligandos endógenos (endocanabinóides) e um sistema enzimático que sintetiza e degrada os endocanabinóides. (1)

Receptores Canabinóides

Pre sinapses do sistema nervoso
Os recetores CB1 encontram-se sobretudo nas pré-sinapses do sistema nervoso

– Recetores canabinóides CB1: recetores acoplados à proteína G. Estes recetores são expressos sobretudo no cérebro, nas pré-sinapses do sistema nervoso central e sistema nervoso periférico.

Responsáveis pela sensação de bem-estar, memória, concentração, perceções sensorial e temporal e coordenação de movimentos. 

– Recetores canabinóides CB2: expressos maioritariamente nas células imunitárias e nos tecidos periféricos. Estão associados ao desempenho das ações anti-inflamatória e imunossupressora.

A investigação indica que são responsáveis por direcionar a libertação de vários neurotransmissores e citoquinas.

Endocanabinóides

No sistema imunológico e sistema nervoso dos mamíferos estão identificados endocanabinóides, ou seja, canabinóides

Existem milhares de estudos sobre CBD publicados em sites de referência

endógenos: anandamida (N-araquidonoitenolamina) e o 2-araquidonoiglicerol. Estão ambos derivados do ácido araquidónico e associados a ação anti-inflamatória e ações inibitórias nas convulsões epiléticas.

Ligam-se e ativam os recetores CB1 e CB2. Consideram-se uma mecânica de defesa natural do organismo, tendo uma ação moduladora. Os endocanabinóides  são produzidos de forma natural pelo organismo. (2)

CBD e THC – mecanismo de ação 

O canabidiol (CBD) e o delta9-tetrahidrocanabinol (THC) são considerados canabinóides exógenos e atuam, tal como os endógenos (produzidos pelo nosso organismo), no sistema endocanabinóide mas de forma distinta.

Ao THC, agonista dos recetores CB1 e CB2, está associado o efeito psicoativo através da modulação do ácido gama-amino butírico (GABA) e glutamina. Relativamente ao CBD, várias hipóteses foram já identificadas para explicar a sua mecânica de atuação. Os investigadores afirma que os efeitos neuroprotector e anti-inflamatório do canabidiol parecem estar relacionados com:

– Inibição das ciclooxigenases e lipooxigenases (substâncias pró-inflamatórias) e por ser um agonista inverso nos receptores CB1 e CB2.
– Atuação sobre os endocanabinóides, inibindo a recaptação celular da anandamida. O CBD compete com a anandamida na ligação a proteínas ligadores de ácidos gordos (FABP), proteínas transportadoras da anandamida para a sua metabolização. (3)

A ação antiepilética do CBD estará relacionada com a modulação do sistema endocanabinóide, ao suspender a degradação da anandamida. Regula também os canais de cálcio tipo T, o que parece inibir as convulsões.

A ação anti-inflamatória e imunossupressora do CBD estará relacionada com a sua atuação nos recetores da serotonina e adenosina, ou seja, o CBD funciona como agonista dos recetores 5-HT1A e 5-HT2A e ativador do recetor da Adenosina A1A. (3).

Segundo os mesmos estudos, o CBD ainda tem uma ação reguladora da epigenética, pois foram identificadas ações repressoras da transcrição, que controlam a proliferação celular e diferenciação através da Metilação do DNA. (3)

Benefícios do CBD

O canabidiol é estudado há vários anos (existem resultados registados desde 1975) e continua a ser uma das substâncias naturais que merece a atenção dos cientistas. O potencial terapêutico do CBD motivou a Organização Mundial de Saúde a um trabalho de revisão sobre estudos existentes acerca do CBD.

A organização apela para a necessidade de olhar para o canabidiol pelos benefícios já registados, pelo potencial na saúde e, dada a ausência de efeitos negativos, para um enquadramento legal apropriado. Estas e outras considerações foram endereçadas às Nações Unidas, como se pode ler no artigo “OMS afirma que CBD tem potencial terapêutico e é seguro“.

AÇÕES BENÉFICAS DO CANABIDIOL

A investigação tem demonstrado resultados promissores do CBD em diversos tipos de doenças. Existem mais de 6.000 resultados de estudos acerca do canabidiol que estão publicados no site especializado PubMed. São muitos os investigadores que atribuem ao CBD um variado leque de ações: 

  • ação anti-diabética
  • ação anti-depressiva
  • ação neuroprotectora
  • ação anti-psicotica (Esquizofrenia)
  • ação anti-epilética
  • ação anti-inflamatória
  • ação na dor neuropática
  • ação anti-emética (náuseas e vómitos) na quimioterapia
  • ação anti-tumoral
  • ação ansiolítica
(1) – Rodriguez de Fonseca e cols. (2005) “The endocannabinoid system: physiology and pharmacology” Alcohol Alcohol. ;40(1):2-¬14
(2) – Pucci et al., Epigenetic control of skin differentiation genes by phytocannabinoids. Br. J. Pharmacol. 170, 581–591.2013
(3) – Pucci et al., Epigenetic control of skin differentiation genes by phytocannabinoids. Br. J. Pharmacol. 170, 581–591.2013
Direitos Reservados